Taxa de Rejeição em Web Analytics

A Taxa de Rejeição em Web Analytics é uma métrica controversa: isoladamente, pode remeter a algo de negativo que esteja ocorrendo em seu site, mas isso não é bem assim.

Taxa de Rejeição em Web AnalyticsDe acordo com o Google, “Taxa de rejeição em web analytics é o percentual de sessões de uma única página (ou seja, sessões nas quais a pessoa saiu do seu site na página de entrada sem interagir com ela).”

Ou seja, é um índice que por si só está ligado diretamente ao comportamento do usuário dentro de uma página do site, correto?

Então…para uma pessoa leiga em web analytics, deve se ter muito cuidado na hora de explicar esse conceito.

Sabe por que?

Vejam: suponhamos que um usuário recorrente acessa um blog, permanece na página do post durante todo o período necessário para lê-lo, e logo em seguida o abandona, indo para outro site.

Isso significa um indicativo negativo?

Claro que não! Se o usuário é recorrente, quer dizer que ele já conhece o seu blog, e que naquele momento ele não precisa necessariamente se aprofundar nele.

Então, se formos pensar nesse ponto de vista, precisaríamos analisar o comportamento os usuários novos do site para saber se ocorre um aprofundamento na visitação através da métrica Páginas/Sessão, por exemplo.

Se levarmos em consideração por exemplo, anúncios do Google Adwords, aí a história muda, vejam:

uma elevada taxa de rejeição a uma landing page por exemplo pode significar desperdício de verba, uma vez que uma página com esse tipo de arquitetura necessita, obrigatoriamente, de uma interação.

Essa interação pode ser um cadastro ou um clique quando o objetivo da campanha é, por exemplo, geração de leads.

Enfim, devemos ter parcimônia ao tratarmos a Taxa de Rejeição durante a análise de um relatório de métricas, pois isoladamente ela tem um sentido, mas analisada em conjunto com outras métricas pode levar a conclusões bem diferenciadas.

Fonte: http://resultadosdigitais.com.br/blog/o-que-e-taxa-de-rejeicao-bounce-rate/

Plano de Métricas: Como Elaborá-lo Para Atingir Suas Metas Principais ?

Realizar as perguntas corretas daquilo que se pretende mensurar é o primeiro passo para que o seu plano de métricas seja útil; observar os números e não delinear os seus objetivos torna o seu projeto web uma proposta inócua.

Desenvolver um plano de métricas para um projeto web é, na minha opinião, uma das melhores práticas para uma ação de web analytics (ou digital analytics, como queiram) saudáveis dentro de uma organização. Estabelecer um briefing inicial e direcionar as análises para os principais pontos chaves de um app ou um projeto de e-commerce, por exemplo, podem fazer a diferença na apresentação de um relatório de resultados para os stakeholders envolvidos. Contudo, nem sempre essa realidade está presente dentro do nosso dia a dia.

Para começar, traçar o objetivo do projeto, ou seja, saber o que de fato se pretende fazer, descrevendo as táticas e estratégias necessárias para atingi-lo. Em seguida. um bom mapeamento dos principais KPI’s, pois deles virão os principais resultados que deverão ser acompanhados de perto a fim de percebermos se o projeto está sendo executado dentro do planejado ou não. Concluindo, as dimensões e métricas que acompanharão a mensuração. Há um modelo baseado em Canvas que pode ser utilizado a título de exemplo:

Modelo Canvas Plano de Métricas
Modelo Canvas para elaboração de um plano de métricas

Lembrando que métricas são avaliações quantitativas (como por exemplo número de sessões, número de páginas/sessão) e dimensões são os atributos dessas avaliações (Cidade, Tipo de Dispositivo, etc.).

Em relação aos KPIs, podemos exemplificar como: número de assinantes de uma newsletter, o faturamento diário de um e-commerce, a quantidade de pedidos, entre outros, tudo depende da descrição clara do seu objetivo e das estratégias e táticas definidas no seu plano de métricas!

Quanto ao questionamento do que deve ser mensurado, pense antes no fluxo de comportamento dos usuários dentro do seu projeto. Imagine um funil, onde se possa analisar as seguintes métricas: alcance, perfil, comportamento e conclusão. A parti daí, questione-se:

  1. Quais foram as mudanças?
  2. O que causou estas mudanças?
  3. Quais os investimentos e experimentos necessários para melhorar ou reverter esse status?
  4. Onde estão as melhores oportunidades?

Quanto aos pontos, analise:

  1. Meu conteúdo/produto rende bem?
  2. A reação das pessoas é positiva ou negativa?
  3. Meu conteúdo/produto mais forte segue meu planejamento?
  4. Meu conteúdo/produto mais fraco também segue meu planejamento?
  5. Meu público é quem eu imaginava que fosse?
  6. Será que eu estou no rumo certo, estou seguindo meus objetivos?
  7. O planejamento do meu negócio está sendo cumprido?
  8. Devo repensar minha atuação?

É claro que esse mindset pode ser alterado, tudo depende da forma como você concebeu seu projeto e como seus stakeholders o avaliarão.

Um grande abraço e até a próxima!

Fonte: Blog Hotmart.